segunda-feira, 27 de abril de 2015

A planta da semana é SALVA da qual irei falar na Próxima quinta-feira na RTP1 no Agora nós.



História
A salva é uma das plantas medicinais mais apreciadas e tem um vasto leque de propriedades. Era já conhecida e muito utilizada na Europa da idade média, tanto para fins medicinais, religiosos, como culinários e ainda no fabrico de cerveja. Segundo uma lenda grega, as propriedades medicinais da salva foram descobertas pelo herói Cadmo a quem as folhas eram oferecidas todos os anos numa cerimónia religiosa. Os gregos e romanos apreciavam-na essencialmente como estimulante mental. O nome “salva” vem do latim saudere ou servire. Os chineses valorizavam-na tanto que nos primeiros anos de trocas comerciais com os ingleses e holandeses estavam dispostos a negociar dois quilos do seu melhor chá  por meio quilo de salva. Diz-se que Luís XIV bebia todas as manhãs uma chávena de chá de salva. Na Índia é ainda hoje considerada uma planta sagrada e é comum vê-la crescer à porta dos templos. Na América no norte é também muito utilizada pelos índios nas suas cerimónias religiosas onde é queimada para purificar ambientes.








Cerca de 2,5% de óleos voláteis (tujona, cineol, borneol, linalol, cânfora, eucaliptol, ácido rosmarínico, flavonóides, resinas, ácido fosfórico, saponinos, glicósidos e taninos que a tornam adstringente). A variedade salva-esclarea (Salvia sclarea) tem um perfume a almiscaro e cresce espontânea entre nós, mas é também cultivada industrialmente para extração do seu óleo essencial de propriedades marcadamente antifungicas, este óleo essencial tem mais interesse em aromaterapia do que o de S. officinalis devido ao baixo teor em tuionas tornando-o por isso menos tóxico, a concentração de linalilo e linalol tornam o óleo essencial de  S. sclarea mais interessante na industria da perfumaria nomeadamente como fixador de aromas

(Salvia sclarea)
 A salvia officinalis

Equilibra o sistema nervoso e é útil no tratamento de vários problemas da menopausa, reduzindo, por exemplo, a sudação e os afrontamentos ajudando o organismo a adaptar-se às alterações próprias desta fase. Uma ou duas folhas frescas mastigadas depois das refeições refrescam o hálito e estimulam a produção de sucos digestivos

2 comentários:

  1. Olá, Visitei e adorei o seu blog. Gostei muito dos seus textos e li vários trechos da sua exposição e conteúdo. . Fiquei bem animada e daqui pra frente, estarei sempre por perto vendo as novidades.
    Venha conhecer o meu Blog também. Tenho certeza que vai gostar http://www.oslivrosdaminhabiblioteca.blogspot.com.br/
    Um grande abraço. NILDA

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde D. Fernanda Botelho,

    Sou Maria Helena Antunes e gostaria de saber como se faz a coleira p/ cães p/ eliminar as pulgas e eventualmente também carraças (tenho uma cocker e uma labrador retriever). Já agora, quanto ao banho, pergunto como devo fazer para utilizar as malvas e/ou camomila. Dou-lhes banho c/ água morna corrente.

    Obrigada pela s/ atenção e pelo tempo que lhe ocupei.

    Felicidades





    Maria Helena Antunes

    ResponderEliminar