segunda-feira, 6 de abril de 2015

Plantas que tratam animais, amanhã na RTP 1 No programa Agora Nós



Com a aproximação dos dias mais quentes começam também a surgir as malditas pulgas e carraças nos nossos animais de estimação.

Saiba como cuidar dos seus amiguinhos de 4 patas de uma forma menos tóxica. 

O eucalipto, a arruda, a artemísia, o alecrim, o gerânio  e as mentas em decocção para lavar os animais e as suas casas são excelentes plantas para afastar pulgas e carraças.

Arruda (Ruta graveolens)

Artemísia absinthum
Podemos também fazer umas coleiras em tecido recheado com estas plantas. 

A menta, o alho e a artemísia, coentros e aipo, são os melhores desparasitantes intestinais (Anti-helmínticos).

Para inflamações da vista e da pele podemos usar flor de sabugueiro, malvas, camomila e calêndula.
Camomila spp


Calendula arvensis

Malva Sylvestris

As capuchinhas, cavalinha, urtigas e amores-perfeitos triturados podem também ser usados em loções para a pele.

Tropaeolum majus ou capuchinhas
Diarreia pode tratar-se adicionando plantas adstringentes como folhas de silvas ou framboeseiro.

Para desinfetar e cicatrizar feridas use milefólio ou agrimónia.

Achillea milefolium
Para consolidar ossos quebrados usamos as folhas de CONSOLDA em compressas.
Symphitum officinallis ou consolda





quarta-feira, 25 de março de 2015

Espreitem a PRIMAVERA amanhã na RTP 1, irei falar de um tema que me é muito querido "ERVAS SILVESTRES E FLORES COMESTÍVEIS

E porque a primavera está por aí abundante, generosa e perfumada amanhã levarei pedaços desta estação para a outra estação a RTP 1 às 10 da manhã no Agora Nós com saladas de frutas e flores de jasmim e camomila, bolo de chocolate e alfarroba decorado com calêndula e borragem e muitas outras dicas sobre ervas silvestres e flores comestíveis.












sexta-feira, 6 de março de 2015

Entrevista/conversa com o José Candeias na Antena 1.

Aqui vos deixo o link de uma entrevista de 13 minutos com o José Candeias que a antena 1 teve a cortesia de me disponibilizar.
http://rsspod.rtp.pt/podcasts/at1/1503/3446212_176257-1503060544.mp3
 Obrigada Antena 1.

domingo, 1 de março de 2015

O sabugueiro é a planta da semana, porque hoje o vi, verde, cheio de novos rebentos, a transbordar de força de viver, na beira de um ribeiro, ali para as bandas de Colares.

Hoje na Quinta-dos-sete nomes fizemos estacas de várias artemisias, alecrim, santolina, mangerona, alfazemas, salvias, tomilho,s helycrisium. Bocadinhos de jardins medicinais que cada um irá reproduzir nas suas varandas, quintais, parecelas, talhões, projetos, etc.
Espero que todas sobrevivam.
Aqui fica a planta da semana inspirada no sabugueiro com a força da primavera a correr-lhe nas "veias".



Se ainda não reparou  nelas, preste atenção; elas crescem á beira dos caminhos e estradas, em bosques sombrios, ou perto de algum  ribeiro, são árvores lindas e chamam-se sabugueiro. Em latim são sambucus nigra e em inglês elder tree.
Na Europa é comum encontrá-las perto dos povoados, pois antigamente acreditavam que o sabugueiro atraia os espíritos do bem e eram por isso aí plantadas.

Diz-se que nas noites quentes de Verão, estas 
 eram as árvores favoritas das fadas. Será talvez devido à grande luminosidade das suas flores.

A partir do mês de Março começam a desabrochar grandes inflorescências, e toda a árvore se vai enchendo destas flores cor de pérola, exalando um perfume leve e doce.



As flores são anti-inflamatórias e diaforéticas, muito úteis em infusões para reduzir a febre, promovendo a sudação, aliviando a tosse e várias afecções do tórax. Ao estimularem a excreção de urina, ajudam assim a eliminar toxinas do organismo, sendo portanto úteis em casos de arterite, reumático e gota, são também muito eficazes em casos de sinusite aguda, muito utilizada em conjunto com outras plantas no combate a gripes e constipações, junta-se por exemplo ao milefólio e à hortelã-pimenta em partes iguais para obter um excelente chá de Inverno. As flores do sabugueiro são ricas em óleos essenciais que contêm ácido lanoleico mucilagem, esteróides, flavonoides, rutina, açúcar e pectina ; protegem as mucosas da garganta e do nariz aumentando assim a resistência às infecções, ajudando mesmo em casos de dores de ouvidos associadas a constipações. Os bioflavonóides ajudam a melhorar a circulação.
A infusão das flores em vinagre, pode ser utilizada em gargarejos contra dores de garganta e amigdalites.



Externamente, a infusão das flores, pode ser utilizada em compressas para tratar conjuntivites e aftas. As flores são ainda utilizadas na conservação das maçãs, quando colocadas em camadas alternadas com as maçãs e fechadas numa caixa de cartão.


Em relação às bagas ou frutos que surgem logo após a floração e são de um roxo escuro, quase preto: contêm açucares de fruta, vitaminas A e C e bioflavonóides. As suas propriedades, são ligeiramente laxantes, mas também anti- diarreica, faz-se com elas um xarope ou concentrado que ajuda a combater tosses e constipações e constituem uma saborosa bebida, rica em vitaminas. 
 






segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

PRIMAVERA ENTRE ANJOS E MALVAS CANTANDO NA MINHA JANELA ENQUANTO ESPREITAM CÚMPLICES OS PÁSSAROS NO JARDIM.





No sábado passado enquanto me passeava por caminhos de terra molhada onde é hábito despejarem entulho às "escondidas", imaginem, encontrei a PRIMAVERA.
Abandonada entre placas de lusalite, pregos ferrugentos, pedaços de tijolos e outros materiais igualmente apelativos e seguros de serem deixados assim em espaços púbicos.
Lá estava ela, igualmente desprezada, meia murcha e muito tristonha.








Recolhi-a com o cuidado que se deve dar às coisas especiais, sacudi-lhe o pó e trouxe-a para casa, dei-lhe lugar de destaque na janela da cozinha onde renasceu feliz, a contemplar o jardim, cheia de novos botões e promessas de uma longa vida.






 Olha com cumplicidade os pássaros, a chuva e as árvores em flor do outro lado da janela.
Pela calada da noite sei que sonha com canções de embalar sussurradas pelo anjo que agora lhe faz companhia.Chama-se MALVA e veio lembrar os meus dias que o tempo é de luz a crescer, e que deitar fora a Primavera é para quem não percebe nada da beleza das flores.


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

PLANTA DA SEMANA UMBIGOS-DE-VÉNUS QUE SERÁ PROVÁVELMENTE A PLANTA QUE MAIS ENCONTRAREMOS NO PASSEIO DE DOMINGO EM SINTRA. ORA DESCUBRA ALGUMAS DAS SUAS UTLIZAÇÕES


E porque os nossos jardins comestíveis não precisam necessariamente de ser cultivados.

Ele pode nascer espontaneamente nas paredes , nos troncos velhos, nos musgos ou nos recantos esquecidos.
As plantas silvestres ou as tão amaldiçoadas ervas daninhas, não merecem tal designação pois a partir do momento em que reconhecermos as suas utilizações, deixarão de o ser e passaremos a ter ao nosso dispor um excelente recurso, que e em tempos de crise, será sempre bem-vindo.

Como devem imaginar,  o meu jardim é composto por muitas plantas silvestres e algumas espécies cultivadas. Muitos recursos, pouco trabalho e uma beleza bastante selvagem onde a biodiversidade é rainha.



Os umbigos-de-Vénus também conhecidos por conchelos, sombreirinho-dos-telhados, bacelos, orelha-de-monge, caucxilhos, etc. Em francês é também conhecida por nombril-de-Vénus ou ombelic- des –rochers. Em inglês chamam-lhe pennywort.
O seu nome deve-se ao aspeto das suas folhas muito redondas e com uma pequena depressão no centro à semelhança de um umbigo.



Cresce um pouco por toda a Europa setentrional, Grã-Bretanha, Irlanda, Bulgária e Norte de África.
Prefere solos ácidos, e siliciosos, paredes com musgo, fendas, bosques, cascas de árvores e telhados.
Existem em Portugal duas espécies de conchelos Umbelicos rupestris e U. heylandianus (Salisbury) Dandy.
É uma planta perene, suculenta, de folhas basais, carnudas na base e extensamente pecioladas, o caule é ereto e guarnecido em quase toda a sua extensão por flores e botões pendentes formando longos cachos branco-amarelados ou avermelhados.
Mede entre 15 a 50cm e floresce normalmente a partir de abril
Pertence à família das Crassuláceas.



Contém sais minerais sobretudo cálcio, potássio, silício e ferro, vitamina C e taninos.

São mais comuns as suas utilizações externas do que internas, sendo usada para tratar calosidades, feridas, ulceras cutâneas e picadas de inseto, dores de ouvidos. Aplica-se diretamente a planta esmagada em compressas ou o seu suco.

Uma das utilizações populares é aquecida em azeite para aliviar dores reumáticas e amaciar a pele.

Internamente consome-se em saladas, sandes, omeletas e batidos, apresentando um sabor fresco e agradável.