segunda-feira, 27 de maio de 2013

Ilha da Madeira:uma pérola verde no meio do Atlântico.Reserva Mundial da Biosfera

Já fui à Madeira e voltei!
Banhei-me de verde, ar puro e água fresca.
Conheci pessoas lindas, (claro que não me cruzei com o Jardim mais feio da Madeira), locais maravilhosos, plantas exuberantes.
Ali todas as espécies existem com um tamanho muito superior ao que estamos habituados a ver:
urzes arbóreas, latugas gigantes, genistas que se chamam piorno e são 3 vezes o tamanho das giestas que vemos no Continente.
A sensação de espanto foi tanta e tão constante que me emocionava com o exagero da paisagem, com o tamanho das folhas, das árvores, dos fetos, dos musgos, da água sempre presente.Imaginem que a média de humidade no ar é de 85%.
Esta humidade deu origem a um leque de verdes como é raro encontrar, e eu vivo em Sintra e já viajei pelo sul do Chile, pelas Caraíbas, México, Brasil, Indonésia e Índia. aliás muitas vezes tive a estranha e muito forte sensação de estar num desses países, não fossem os túneis a rasgar abruptamente a paisagem e a acordar-me destas sensações quase delirantes, meio alucinadas.
O tempo e a sua fantástica agilidade de nos fazer viajar para trás e para a frente, para longe e para perto, para dentro e para fora em apenas 5 dias.
Está mais que provado que o tempo vive de mãos dadas com emoções e sensações e com elas tem uma estreita relação de cumplicidade.