quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

E o jardim aqui tão perto





E o jardim aqui tão perto, aqui tão dentro, entra-me pela porta sem pedir licença, sorrateiro em tons de delicados vermelhos e brancos, surpresas de várias formas e texturas. Um pouco arrepiado de frio tal como eu.

Depois da chuva e do vento intenso, a calmaria pousou nas folhas abandonadas no chão, deixando agora sim, a ameixeira, romãzeira e macieira completamente despidas, frias e com troncos ainda gotejantes.


O abutilon no entanto não deixou cair a folha e exuberou-se numa profusão de flores de uma cor que não tem nome, entre roxo, lilás e rosa forte, grandes estiletes a abarrotar de pólen, não vão as abelhas esfomear-se e querer sair da colmeia mesmo no frio do inverno, é para isso que servem estas fotogénicas flores, que nunca se cansam de me encantar nem se fartam de florir sem parar.



Deve ser para competir com a vizinha do lado, outra Malvácea de delicadas florzinhas vermelhas, semelhantes a hibiscos miniatura, cuja semente se assemelha aos "queijinhos" da malva (Malva sylvestris)



O alecrim Africano (Eriocephalus africanus) que de alecrim não tem nada, é uma Composta ou Asterácea, o alecrim (Rosmarinus officinalis) é uma Labiada ou Lamiácea, o cheiro é completamente diferente e as suas flores muito mais exuberantes, brancas, fazendo lembrar neve. É oriunda da África do sul mas encontrei-a na Madeira onde é conhecida por Mãozinhas-de-nossa-Senhora ou Alecrim-de-nossa-Senhora. Agora em pleno mês de dezembro no meu jardim, está repleto de flores sabe-se lá até quando.


Num vaso uma manuka enorme julgando-se na Nova Zelândia, encheu-se de flores que as floristas cobiçam mas também as abelhas, eu adoro o perfume das flores e folhas desta delicada planta da família das Mirtáceas.



Não resisto à tentação de fotografar as rosas antes e depois, são lindas sempre, vestidas e perfumadas ou despenteadas, desgrenhadas e sem pétalas, continuo a achá-las cheias de charme e dignidade em todas as suas metamorfoses.






Do lado de lá, (ou será do lado de cá)? do vidro agora limpo da porta da cozinha espreitam fetos, em tons de vários verdes emaranhados em jasmins, passifloras e budleias, salpicados de aveludados pontos vermelhos da salva-ananás (Salvia elegans),




 Um abacateiro subindo rapidamente, aspirando a trepadeira  Afinal não são apenas as pessoas que não se conformama com aquilo que são, imaginem uma árvore as pirando a trepadeira, ágil e veloz abrindo caminho na direção da luz por entre os ramos aparantemente secos do enorme sabugueiro. Enormes geranios madeirenses, antúrios, orquideas e outras relíquias insulares que encontraram em Sintra o lugar ideal para se sentirem em casa e eu a sentir-me na Madeira, obrigada à amigas madeirenses, que maravilha, plantas que nos transportam aos lugares, e eu a julgar que apenas os odores gurdavam em si esse poder de nos fazer viajar no tempo.

E a propósito de odores também por aqui vão eclodindo violas, as odoratas e as tricolore, simpáticas, cheirosas e discretas vão dando ao inverno um ar de alegre leveza.





E como nem só de plantas vivem os jardins, já por cá cantam alguns pássaros, os meus gatos Ari e a Shanti, atentos e sonhando como seria bom ter asas e voar atrás daqueles chilreares.