domingo, 1 de março de 2015

O sabugueiro é a planta da semana, porque hoje o vi, verde, cheio de novos rebentos, a transbordar de força de viver, na beira de um ribeiro, ali para as bandas de Colares.

Hoje na Quinta-dos-sete nomes fizemos estacas de várias artemisias, alecrim, santolina, mangerona, alfazemas, salvias, tomilho,s helycrisium. Bocadinhos de jardins medicinais que cada um irá reproduzir nas suas varandas, quintais, parecelas, talhões, projetos, etc.
Espero que todas sobrevivam.
Aqui fica a planta da semana inspirada no sabugueiro com a força da primavera a correr-lhe nas "veias".



Se ainda não reparou  nelas, preste atenção; elas crescem á beira dos caminhos e estradas, em bosques sombrios, ou perto de algum  ribeiro, são árvores lindas e chamam-se sabugueiro. Em latim são sambucus nigra e em inglês elder tree.
Na Europa é comum encontrá-las perto dos povoados, pois antigamente acreditavam que o sabugueiro atraia os espíritos do bem e eram por isso aí plantadas.

Diz-se que nas noites quentes de Verão, estas 
 eram as árvores favoritas das fadas. Será talvez devido à grande luminosidade das suas flores.

A partir do mês de Março começam a desabrochar grandes inflorescências, e toda a árvore se vai enchendo destas flores cor de pérola, exalando um perfume leve e doce.



As flores são anti-inflamatórias e diaforéticas, muito úteis em infusões para reduzir a febre, promovendo a sudação, aliviando a tosse e várias afecções do tórax. Ao estimularem a excreção de urina, ajudam assim a eliminar toxinas do organismo, sendo portanto úteis em casos de arterite, reumático e gota, são também muito eficazes em casos de sinusite aguda, muito utilizada em conjunto com outras plantas no combate a gripes e constipações, junta-se por exemplo ao milefólio e à hortelã-pimenta em partes iguais para obter um excelente chá de Inverno. As flores do sabugueiro são ricas em óleos essenciais que contêm ácido lanoleico mucilagem, esteróides, flavonoides, rutina, açúcar e pectina ; protegem as mucosas da garganta e do nariz aumentando assim a resistência às infecções, ajudando mesmo em casos de dores de ouvidos associadas a constipações. Os bioflavonóides ajudam a melhorar a circulação.
A infusão das flores em vinagre, pode ser utilizada em gargarejos contra dores de garganta e amigdalites.



Externamente, a infusão das flores, pode ser utilizada em compressas para tratar conjuntivites e aftas. As flores são ainda utilizadas na conservação das maçãs, quando colocadas em camadas alternadas com as maçãs e fechadas numa caixa de cartão.


Em relação às bagas ou frutos que surgem logo após a floração e são de um roxo escuro, quase preto: contêm açucares de fruta, vitaminas A e C e bioflavonóides. As suas propriedades, são ligeiramente laxantes, mas também anti- diarreica, faz-se com elas um xarope ou concentrado que ajuda a combater tosses e constipações e constituem uma saborosa bebida, rica em vitaminas.